V CIAG | ACÇÃO! Feminismos e a espacialização das resistências Lisboa
V-CIAG

O V Congresso Internacional Arquitectura e Género | ACÇÃO. Feminismos e a espacialização das resistências dá continuidade às reflexões que se organizaram desde 2015, principalmente a partir do sul da Europa, permitindo a construção de redes de trabalho, investigação e experiências transcontinentais. Nesta genealogia, com programas e temáticas variados, contam-se os congressos ArquitectAs (2014, Sevilha), Matrizes (2015, Lisboa), MORE (2017, Florença), e Fielding Architecture (2019, Brighton). A quinta edição propõe enfatizar a componente política do cruzamento do espaço com os direitos, nunca esquecendo a diversidade do ser-se mulher ou rapariga e o cruzamento com as actuais circunstâncias derivadas da pandemia da COVID-19.

Em 1995, a Declaração e a Plataforma de Acção de Pequim foi aprovada na IV Conferência Mundial sobre as Mulheres, momento essencial na fixação de uma agenda política, estratégica e global relativa aos direitos e oportunidades das mulheres. Hoje, vinte e cinco anos passados, assistimos à coexistência de práticas e políticas públicas progressistas em paralelo com perdas graves e silenciamentos. Reflectir, debater e propor, crítica e colectivamente, teorias, estratégias e práticas torna-se urgente. De modo ampliado e interdisciplinar, reclamamos o foco para as resistências, tendo como âncora os feminismos interseccionais – necessariamente pós-coloniais e decoloniais –, os direitos, as reivindicações, os desejos e as aspirações das mulheres e dos sujeitos não-normativos.

Em todo o mundo, nos diversos âmbitos socioculturais e profissionais, organizam-se colectivamente várias frentes de lutas contra o patriarcado, o racismo e o capitalismo. A compreensão e acção das vertentes espaciais – dos corpos aos territórios globais, nos contextos locais e transnacionais – são fulcrais como resposta às discriminações, marginalizações e ausência de direitos. A partir das dinâmicas de resistências na produção e apropriação dos territórios, das cidades, das arquitecturas e dos objectos, procuram-se especialmente contribuições que se coloquem como acções propositivas na espacialização dos direitos. No contexto da recente pandemia da COVID-19, será igualmente dada ênfase a reflexões críticas e situadas sobre, por um lado, a afectação e alteração das vidas das mulheres nas esferas do privado e do público e, por outro lado, quais as possibilidades para os territórios que habitamos.

Entre outros, este congresso pretende discutir e agir, num quadro de reflexão crítica, sobre os seguintes tópicos:

  1. A igualdade entre mulheres e homens e as suas dimensões espaciais nas diversas escalas (corpo – casa – cidade – macro território);
  2. A justiça climática e as práxis espaciais (eco)feministas na concretização territorial da igualdade e o papel das mulheres e das raparigas na defesa efectiva dos territórios e do planeta;
  3. As práticas profissionais como processos feministas e emancipatórios das arquitecturas, das cidades e dos espaços em sentido alargado;
  4. A História, as histórias e as metodologias feministas, na construção ampliada de narrativas, e
  5. As pedagogias espaciais – territoriais, urbanas, arquitectónicas, entre outras – enquanto modelos alternativos com potencial transformador.

 

Dadas as circunstâncias actuais, o congresso realizar-se-á em formato virtual.

Comissão executiva
Patrícia Santos Pedrosa (Chair, CIEG/ISCSP, ULisboa)
Clara Oliveira  (CIEG/ISCSP, ULisboa)
Eliana Sousa Santos (CES, UCoimbra)
Lia Gil Antunes (CIEG/ISCSP, ULisboa)
Luísa Paiva (ULHT)
João Sequeira (Deca-UBI)
Maria Helena Souto (IADE)

Comissão científica
Em actualização!
Ana María Fernández García (Historia del Arte y Musicología, Universidad de Oviedo)
Carmen Espegel Alonso (Universidad Politécnica de Madrid)
Daniela Arias Laurino (Un día/Una arquitecta)
Eliana Sousa Santos (Centro de Estudos Sociais, Universidade de Coimbra)
Inés Moisset (CONICET – Universidad de Buenos Aires. Instituto de la Espacialidad Humana, Buenos Aires. Argentina)
Jane Rendell (Bartlett School of Architecture, UCL)
João Sequeira (CIAUD-UBI / LabART)
João Paulo Martins (FAUL e CIAUD, Universidade de Lisboa)
Jorge Figueira (Darq e Centro de Estudos Sociais, Universidade de Coimbra)
Justine Clark (Parlour: women, equity, architecture e University of Melbourne, Australia)
Lori Brown (Syracuse University, EUA)
Margarida Queirós (IGOT e Centro de Estudos Geográficos, Universidade de Lisboa)
Maria Helena Souto (IADE, Universidade Europeia)
Prof. Dr. Mary Pepchinski (Chair of Architecture and Society, Technical Universit Dresden – até Fevereiro 2021)
Nuria Alvarez Lombardero (Architectural Association School of Architecture, Londres)
Paola Zellner (School of Architecture + Design, Virginia Tech, EUA)
Patrícia Anahory (Arquiteta, educadora e curadora independente)
Patrícia Orfila Reis (Universidade Federal do Tocantins, Palmas, Brasil)
Patrícia Santos Pedrosa (CIEG/ISCSP, Universidade de Lisboa e UBI)
Ruth Verde Zein (Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, Brasil)
Silvana Rubino (Departamento de História/IFCH/UNICAMP, Brasil)
Serafina Amoroso (Investigadora independente)

Design Gráfico
Margarida Ornelas

A submissão das propostas originais será feita através da plataforma EasyChair até 15 de Novembro de 2020. O resumo deverá ter no máximo 300 palavras, até 5 referências bibliográficas (formato APA) e indicar o tópico a que se destina. Cada pessoa poderá submeter, no máximo, um resumo individual e um em co-autoria, ou dois em co-autoria. As línguas de trabalho do congresso são o português, o castelhano e o inglês. A publicação dos artigos, validados para esse fim em posterior revisão cega por pares, está prevista, no formato papel ou online. Devido às circuntâncias pandémicas, o congresso acontecerá em formato online.

Call: https://easychair.org/cfp/5CIAG

Submissão: https://easychair.org/conferences/?conf=5ciag

Datas importantes
2020
Final de Agosto:
Início da Chamada de Trabalhos
15 de Novembro: Submissão de Trabalhos > NOVA DATA!
15 de Dezembro: Aceitação ou rejeição de Trabalhos
15 de Dezembro: Início da inscrição Early-Bird

2021
15 de Janeiro:
1ª versão do programa
15 de Fevereiro: Fim da inscrição Early-Bird e início da inscrição normal
15 de Março: Fim da inscrição normal
20 de Março: Programa final
Início de Abril: Livro de Resumos

Congresso: 21, 22 e 23 de Abril, 2021

Mais informações: w.arch.pt@iscsp-ulisboa.pt

Taxas de inscrição
Early-Bird: 60€ / 30€ (estudantes e países de média e baixa renda)
Normal: 80€ / 40€ (estudantes e países de média e baixa renda)

Mais informações: w.arch.pt@iscsp-ulisboa.pt

O V Congresso Internacional Arquitectura e Género | ACÇÃO. Feminismos e a espacialização das resistências dá continuidade às reflexões que se organizaram desde 2015, principalmente a partir do sul da Europa, permitindo a construção de redes de trabalho, investigação e experiências transcontinentais. Nesta genealogia, com programas e temáticas variados, contam-se os congressos ArquitectAs (2014, Sevilha), Matrizes (2015, Lisboa), MORE (2017, Florença), e Fielding Architecture (2019, Brighton). A quinta edição propõe enfatizar a componente política do cruzamento do espaço com os direitos, nunca esquecendo a diversidade do ser-se mulher ou rapariga e o cruzamento com as actuais circunstâncias derivadas da pandemia da COVID-19.

Em 1995, a Declaração e a Plataforma de Acção de Pequim foi aprovada na IV Conferência Mundial sobre as Mulheres, momento essencial na fixação de uma agenda política, estratégica e global relativa aos direitos e oportunidades das mulheres. Hoje, vinte e cinco anos passados, assistimos à coexistência de práticas e políticas públicas progressistas em paralelo com perdas graves e silenciamentos. Reflectir, debater e propor, crítica e colectivamente, teorias, estratégias e práticas torna-se urgente. De modo ampliado e interdisciplinar, reclamamos o foco para as resistências, tendo como âncora os feminismos interseccionais – necessariamente pós-coloniais e decoloniais –, os direitos, as reivindicações, os desejos e as aspirações das mulheres e dos sujeitos não-normativos.

Em todo o mundo, nos diversos âmbitos socioculturais e profissionais, organizam-se colectivamente várias frentes de lutas contra o patriarcado, o racismo e o capitalismo. A compreensão e acção das vertentes espaciais – dos corpos aos territórios globais, nos contextos locais e transnacionais – são fulcrais como resposta às discriminações, marginalizações e ausência de direitos. A partir das dinâmicas de resistências na produção e apropriação dos territórios, das cidades, das arquitecturas e dos objectos, procuram-se especialmente contribuições que se coloquem como acções propositivas na espacialização dos direitos. No contexto da recente pandemia da COVID-19, será igualmente dada ênfase a reflexões críticas e situadas sobre, por um lado, a afectação e alteração das vidas das mulheres nas esferas do privado e do público e, por outro lado, quais as possibilidades para os territórios que habitamos.

Entre outros, este congresso pretende discutir e agir, num quadro de reflexão crítica, sobre os seguintes tópicos:

  1. A igualdade entre mulheres e homens e as suas dimensões espaciais nas diversas escalas (corpo – casa – cidade – macro território);
  2. A justiça climática e as práxis espaciais (eco)feministas na concretização territorial da igualdade e o papel das mulheres e das raparigas na defesa efectiva dos territórios e do planeta;
  3. As práticas profissionais como processos feministas e emancipatórios das arquitecturas, das cidades e dos espaços em sentido alargado;
  4. A História, as histórias e as metodologias feministas, na construção ampliada de narrativas, e
  5. As pedagogias espaciais – territoriais, urbanas, arquitectónicas, entre outras – enquanto modelos alternativos com potencial transformador.

 

Dadas as circunstâncias actuais, o congresso realizar-se-á em formato virtual.

Comissão executiva
Patrícia Santos Pedrosa (Chair, CIEG/ISCSP, ULisboa)
Clara Oliveira  (CIEG/ISCSP, ULisboa)
Eliana Sousa Santos (CES, UCoimbra)
Lia Gil Antunes (CIEG/ISCSP, ULisboa)
Luísa Paiva (ULHT)
João Sequeira (Deca-UBI)
Maria Helena Souto (IADE)

Comissão científica
Em actualização!
Ana María Fernández García (Historia del Arte y Musicología, Universidad de Oviedo)
Carmen Espegel Alonso (Universidad Politécnica de Madrid)
Daniela Arias Laurino (Un día/Una arquitecta)
Eliana Sousa Santos (Centro de Estudos Sociais, Universidade de Coimbra)
Inés Moisset (CONICET – Universidad de Buenos Aires. Instituto de la Espacialidad Humana, Buenos Aires. Argentina)
Jane Rendell (Bartlett School of Architecture, UCL)
João Sequeira (CIAUD-UBI / LabART)
João Paulo Martins (FAUL e CIAUD, Universidade de Lisboa)
Jorge Figueira (Darq e Centro de Estudos Sociais, Universidade de Coimbra)
Justine Clark (Parlour: women, equity, architecture e University of Melbourne, Australia)
Lori Brown (Syracuse University, EUA)
Margarida Queirós (IGOT e Centro de Estudos Geográficos, Universidade de Lisboa)
Maria Helena Souto (IADE, Universidade Europeia)
Prof. Dr. Mary Pepchinski (Chair of Architecture and Society, Technical Universit Dresden – até Fevereiro 2021)
Nuria Alvarez Lombardero (Architectural Association School of Architecture, Londres)
Paola Zellner (School of Architecture + Design, Virginia Tech, EUA)
Patrícia Anahory (Arquiteta, educadora e curadora independente)
Patrícia Orfila Reis (Universidade Federal do Tocantins, Palmas, Brasil)
Patrícia Santos Pedrosa (CIEG/ISCSP, Universidade de Lisboa e UBI)
Ruth Verde Zein (Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, Brasil)
Silvana Rubino (Departamento de História/IFCH/UNICAMP, Brasil)
Serafina Amoroso (Investigadora independente)

Design Gráfico
Margarida Ornelas

A submissão das propostas originais será feita através da plataforma EasyChair até 15 de Novembro de 2020. O resumo deverá ter no máximo 300 palavras, até 5 referências bibliográficas (formato APA) e indicar o tópico a que se destina. Cada pessoa poderá submeter, no máximo, um resumo individual e um em co-autoria, ou dois em co-autoria. As línguas de trabalho do congresso são o português, o castelhano e o inglês. A publicação dos artigos, validados para esse fim em posterior revisão cega por pares, está prevista, no formato papel ou online. Devido às circuntâncias pandémicas, o congresso acontecerá em formato online.

Call: https://easychair.org/cfp/5CIAG

Submissão: https://easychair.org/conferences/?conf=5ciag

Datas importantes
2020
Final de Agosto:
Início da Chamada de Trabalhos
15 de Novembro: Submissão de Trabalhos > NOVA DATA!
15 de Dezembro: Aceitação ou rejeição de Trabalhos
15 de Dezembro: Início da inscrição Early-Bird
2021
15 de Janeiro: 1ª versão do programa
15 de Fevereiro: Fim da inscrição Early-Bird e início da inscrição normal
15 de Março: Fim da inscrição normal
20 de Março: Programa final
Início de Abril: Livro de Resumos

Congresso: 21, 22 e 23 de Abril, 2021

Mais informações: w.arch.pt@iscsp-ulisboa.pt

Taxas de inscrição
Early-Bird: 60€ / 30€ (estudantes e países de média e baixa renda)
Normal: 80€ / 40€ (estudantes e países de média e baixa renda)

Mais informações: w.arch.pt@iscsp-ulisboa.pt

ORGANIZAÇÃO
w@arch.pt
FINANCIAMENTO

V CIAG

V International Congress Architecture and Gender
ACTION!
Feminisms and the spatialization of resistances